terça-feira, 20 de outubro de 2009

O amor proibido-continuação



Em seguida, Andrômeda entrou chorando mais uma vez em seu quarto. Shun queria se controlar, mas seu coração falou mais alto. Entrou e perquntou amavelmente:


-O que há com vossa alteza? Algo lhe entristece? Conte-me, desabafe.


-Oh Shun... Você é a única pessoa em que posso contar, mais um pretendente, não sei por quanto tempo vou suportar isso, vou embora se eu tiver de agüentar outro dessse.


O rapaz enxuga as lágrimas de sua amada, mais apaixonado ainda e diz com muita compreensão:


-Você não pode abandonar seu reino princesa, a onde você for, pertencerá a realeza e seus pais, vão ficar desesperados, diga isso a eles. com certeza vão entender.


-Shun, você dá exelentes conselhos, mas você já chegou a seguir um deles? Vou falar com meus pais.


E lá se foi ela, decidida a falar com seus pais. Chegando lá disse:

-Pai, mãe, não quero me casar pela lei, quero me casar por amor, pois de outra maneira, não vou ser feliz.

Seus pais aceitaram e a lei não foi mais usada. Retornando a seu quarto, encontrou seu cavaleiro de joelhos, segurando uma caixinha com uma aliança de cristal na mão e perguntou:

-Qual é o significado disso tudo?

-Significa o amor que sinto por você que até hoje não tive coragem de assumir esse belo sentimento, mas pergunto: quer se casar comigo e sentir meu amor?

-Sim, sim, sim- disse ela, abraçando-o- eu também te amo, mas não disse antes com medo de nossa amizade terminar.

E foram ao encontro dos pais de Andrômeda. Eles aceitaram e tiveram um belíssimo casamento na França.

Quase todos viveram felizes, menos... Ikki e Esmeralda.

Logo após o anoitecer, enquanto as irmãs conversavam, Ikki perguntou ao irmão:

Continua no próximo capítulo...

Um comentário: